Infelizmente não efetuamos envios para o seu país.

veja os nossos destinos de envio

Estaremos novamente disponíveis Segunda a partir das 09h00. Envie-nos um e-mail.

PROJECTO 0.05

MOLDADO PELA NATUREZA

Hans Christian-Smolik fê-lo de novo! Nos últimos meses, passou inúmeras horas na sua oficina de modo a apresentar o novo projecto no EuroBike. O nome do projecto: "Projecto 0.05". As pessoas perguntar-se-ão… porquê projecto 0.05?

A maioria das invenções e do desenvolvimento que conhecemos foi inspirado na natureza… exemplos de pureza e perfeição da estrutura e função. Sob este ponto de vista, desenvolveu-se um novo conceito de ciência, a qual se debruça sobre a biologia na concepção de estruturas modernas.

A inspiração para o Projecto 0.05 foi a gota de água que, com o seu coeficiente de penetração de 0.05, é o "ideal" para o desenvovimento biónico. As asas dos modenos aviões apresentam valores na ordem dos 0.08.

Enquanto que os dois últimos modelos tiveram como base o quadro F10 modificado, este novo modelo tem um quadro em carbono, feito à mão, como coração do protótipo. Apesar da aerodinâmica ter sido a prioridade no design do quadro, Smolik manteve-se fiel às restrições da UCI.

Desde o início que a ideia era aproximar a eficiência do o design da bicicleta à gota de água, sendo uma forma 2 a 4 vezes menos resistente ao vento que um tubo redondo. No entanto, na prática, este aspecto é benéfico apenas numa faixa muito reduzida de utilização. Enquanto uma gota de água aproveita a sua forma para seguir o seu rumo, com situações de vento este actua como se fosse um travão. Mais importante que a forma é o modo como são resguardados os componentes, do efeito do vento.

Na linha que une a escora ao tubo horizontal, 25 cm mais abaixo deste existe a ligação do triângulo traseiro com uma área de exposição extremente reduzida. O tubo inferior oferece também a mínima resistência ao vento. De forma a atingir este objectivo sem menosprezar a caixa de direcção de 1 1/8, Smolik construiu rolamentos com diâmetro exterior de apenas 38mm.

Desde a introdução do carbono no fabrico de quadros que se tem dado ampla margem de liberdade para criar as suas formas, a maioria do desenvolvimento numa bicicleta aerodinâmica centra-se nos seus componentes. Para atingir os seus fins neste campo, Smolik traçou novos rumos ignorando o convencional, tal como fez ao apresentar a primeira bicicleta com dois discos hidráulicos na dianteira.

Travões integrados nos braços da forqueta e conjunto pedaleiro em carbono
Ligação do tudo vertical com escoras e ligação do tubo horizontal, desviador modificado
Os travões traseiros estão integrados nas escoras e o guiador apresenta um sistema de hidratação, também ele integrado

Um sistema de travagem hidráulica também se assegura da desacelaração deste Projecto. À primeira vista, é pouco perceptível mas, com um olhar mais atento, apercebemo-nos que os cilindros dos travões estão inseridos na forqueta e na escora.

O corredor apenas vislumbra as manetes personalizadas Smolik, em fibra de carbono. Estas, activam o pistão e empurra a pastilha contra o aro e contra a outra pastilha no lado oposto. Smolik decidiu conscientemente utilizar um travão com esta configuração, de outro modo, uma outra tipologia de travões teria sido necessária.

A alternativa é possível, uma vez que as rodas assim o permitem com a sua deflecção de milímetros sem comprometer o conforto. Isto também quer dizer que o peso dos travões poderia ser inferior em 60 gramas. Os travões não são os únicos que estão praticamente invisíveis no protótipo da Canyon, também a sua tubagem e os cabos das mudanças. Juntos, percorrem o tubo superior, entrando na zona do avanço e saíndo junto dos desviadores. O desviador modificado ao nível do ângulo representa que o tradicional arco para guiar o cabo, não é necessário. O desviador dianteiro está também ele escondido mediante uma cobertura aerodinâmica.

De modo a minimizar o atrito do pedaleiro ao máximo possível, um pedaleiro Campagnolo foi revestido a carbono.

Aparecendo historicamente no contra-relógio, Greg Lemond tinha uma arma secreta à qual agradecerá a vitória de 1986 do "Tour" de França - um guiador aerodinâmico (triatlo). Estes guiadores aerodinâmicos existem hoje em dia em várias configurações e, teria sido fácil equipar a bicicleta com um elemento destes sem qualquer esforço. No entanto, Smolik não estava satisfeito com esta tecnologia comprovada, dando início a um novo projecto, com o qual criará uma nova tandência. Com a integração do guiador com o sistema de hidratação, numa peça única, resolveu dois problemas, os quais são por vezes menosprezados.

A maioria dos sistemas de bidons, até os que estão inseridos no guiador, não estão concebidos sob o ponto de vista aerodinâmico. O corredor deve erguer-se para alcançar os sistemas de hidratação integrados comuns e, ao fazê-lo deixa de assumir uma posição de contra-relógio. Smolik construiu um sistema integrado de guiador/avanço que pesa exactamente 250g.

O passo seguinte foi dar forma de gota de água a um recipiente, com capacidade para 0.75l, que se encontra na parte inferior do conjunto. O corredor tem agora ao seu alcance um tubo para resolver o problema da hidratação. Após a corrida, o recipiente pode ser removido para eliminar qualquer problema de limpeza existente.

O Projecto 0.05 mostra que a Canyon, uma vez mais, que o pensamento tradicional será ignorado de modo a desenvolver modernas Bicicletas de Estrada e Montanha. Estas são inovaçãoes que cada dono de uma Canyon pode apreciar nas suas bicicletas.

Hans-Christian Smolik consolidou a sua reputação de "maior cérebro do ciclismo" com o "Projecto 0.05". Ao longo dos anos foi responsável por inúmeros desenvolvimentos e inovações… e por ter coragem em seguir novos rumos. Este novo rumo é o Projecto 0.05!